sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Não é nada pra mim.

Encarei tudo o que precisava encarar.
Não sugue a minha energia desse jeito. No fundo algo positivo pode dar jeito. Mas não me peça mais conselhos e você nem tem esse direito.

                                               Observe os seus atos.
                                                               Seja você mesmo.
                                                                                      Ligue os fatos.

Observe onde você anda, a onde anda e com quem tem andado. Não force a barra, não mexa comigo e nem me dirija mais a palavra. Sou oculta, não me movo mais pra nada. O seu ar de falsidade absorve a minha respiração. Saia de perto. Caminhe sozinho e aprenda a andar antes de pensar. Ainda é cedo, mas talvez seja tarde demais. Olhe pra trás. O que você é?

                                                           Sua opinião não vale de nada.
                                                         Sua palavra não tem valor, poder.
                                                                       O que? Pra que?
                                                                        Pena... Sim, pena!
                                                                      Nada... Pra mim, nada!

Nenhum comentário:

Postar um comentário